Archive | December, 2010

Freud à vontade

Interessante esse vídeo, um tanto caseiro, de Sigmund Freud (1835-1930). A narração é de sua filha, Anna Freud, em inglês mas com um peculiar sotaque que não nega sua origem.

Apesar das controvérsias, a psicanálise não deixa de ser um importante ponto de apoio para a compreensão do psiquismo.

:: Posts relacionados: Esquizofrenia em preto e branco, Shell Shock

Neuroimagem e Arte

Dysfunctional MRI - Dave Barstow (2009)

Encontrei no Neurocritic este artigo de um grupo sérvio sobre o uso de imagens do cérebro por artistas em suas obras, desde Francis Bacon e Diego Rivera até artistas contemporâneos: Neuroradiology and Art: a Review and Personal Contribution

Aqui, o post do Neurocritic.

:: Posts relacionados: Cérebro colorido, Fotografias da alma

Leave a Comment

Woody Allen no consultório

Alguns filmes de Woody Allen ilustram – na maioria da vezes com bom humor – questões interessantes da psicopatologia, psiquiatria e psicanálise. Uma lista de filmes para assistir num final de semana:

Tudo o Que Você Sempre Quis Saber Sobre Sexo… (1972) – Sexualidade e parafilias
A Outra (1988) – A prática psicanalítica
Dirigindo no Escuro (2002) – Cegueira conversiva
Interiores (1978) – Depressão e suicídio
Hannah e Suas Irmãs (1986) – Transtorno hipocondríaco
Igual a tudo na vida (2003) – Transtornos de personalidade borderline e  personalidade paranóide
Contos de Nova York - segmento Oedipus Wrecks (1989) – O complexo de Édipo
Zelig (1983) – Transtorno dissociativo de múltipla personalidade

Leave a Comment

Imagens da Depressão

A fotógrafa americana Dorothea Lange (1895-1965) deixou seu nome na história da fotografia por seus retratos da Grande Depressão. Algumas imagens que viraram símbolos de uma época que os EUA preferem esquecer podem ser vistas numa ótima compilação feita pelo blog The Selvedge Yard. Clique na imagem para ver.

:: Posts relacionados: Um médico rural, Vencendo o tempo

Leave a Comment

Os sofrimentos do jovem Hamlet

Ótimo (e curto) texto sobre alguns aspectos psicopatológicos do personagem mais célebre de Shakespeare: A Melancolia em Hamlet

Durante a tragédia, Shakespeare marca o caráter do protagonista com uma notável manifestação de tristeza. A peça, que traça um mapa do curso de vida na loucura real e na loucura fingida, mostra que o dramaturgo, sem pesquisas e fundamentos científicos, mas com intuição e sensibilidade, percebeu exatamente como se comporta um homem acometido pela depressão.

Quem escreve é Renata Calheiros Viana, do blog A Arte da Medicina.

:: Posts relacionados: Dostoievski em crise, O mistério final de Poe, Diário de um louco

Leave a Comment

Sofrimento sazonal

No final do ano sempre surge entre os psiquiatras a impressão de que os pacientes tendem a piorar. Achei um estudo restrospectivo de 15 anos que dá uma idéia interessante da variação de algumas síndromes psiquiátricas ao longo do ano: Monthly variation in the care-based incidence of psychopathology .  Esses dados holandeses devem interessar a quem gosta de epidemiologia psiquiátrica.

Seasonal mood changes also occur in the normal population. Seasonal variation in the normal population has been reported to resemble seasonality in major and bipolar depressive groups (Hardin et al. 1991), with most people feeling best in spring/summer and worst in autumn/winter.

:: Posts relacionados: Mal de lua, São Paulo melancólica

Leave a Comment

Anatomia da Poesia

Os psiquiatras Suzana Azoubel* e Othon Bastos escreveram um belo estudo patográfico sobre o poeta português Fernando Pessoa.

Para Jaspers, toda vida psíquica é um todo como forma temporal.  Se quisermos apreender um indivíduo, temos de possuir a visão de sua vida desde o nascimento até a morte

Para quem não sabe o que é um estudo patográfico, eis uma boa chance de aprender. Link para o artigo.

* Conheci  Suzana, colega que mora em Recife, há alguns meses durante evento em São Paulo. Na ocasião ela me contou sobre sua interessante e difícil dissertação de mestrado.
Leave a Comment

"Culturomics"

Achei brilhante a iniciativa de fazer uma análise quantitativa da cultura a partir da digitalização de  milhões de livros dos últimos cinco séculos.

Uma ótima matéria da Scientific American explica como os grupos envolvidos no estudo utilizam o banco de dados disponibilizado pelo Google. É o tipo de estudo que abre perspectivas fascinantes.

The tool will be “like biology in the sense that you can formulate questions that are quantitative, and you can obtain quantitative answers to them,” Aiden says. But like a genome-wide association study (GWAS), the findings are often just the starting point.

:: Pots relacionados: Lendo o presente, Ex-libris, Instant Karma

Leave a Comment

Cartum #7

- É claro que dá um barato. Esse bichinhos são cheios de antidepressivos.

(Via New Yoker)

Leave a Comment

Intermezzo

Música de Suicidas, Pt. 3

Há poucas imagens de Nick Drake, um sujeito tímido e melancólico. Apesar disso, sua pequena produção musical (abreviada pelo suicídio aos 26 anos) sobrevive por uma qualidade lírica difícil de ser encontrada no pop.

Olhando torto


Os orientais chamam de Jiko-shisen-kyofu um tipo de fobia específica que consiste no temor do paciente de que seu olhar possa ser considerado ofensivo ou cause desconforto em outras pessoas. Esse é um tipo de síndrome que se manifesta dentro do contexto cultural específico da Ásia e não existem correlatos no mundo ocidental.

Aqui, o blog Mind Hacks comenta o recente artigo publicado em The Australian and New Zealand Journal of Psychiatry sobre o assunto.

Such patients feel deeply ashamed, demeaned, and unaccepted, and many eventually avoid social situations. A diagnosis of phobia of one’s own glance is not contingent upon whether or not a patient considers his or her thoughts to be excessive; therefore, neither the presence nor a lack of insight is essential for the diagnosis.

:: Posts relacionados: Síndrome de Stendhal, Epônimos, Psicopatologia de exportação

Leave a Comment

Síndrome de Stendhal

Essa eu não conhecia: a síndrome de Stendhal é a ocorrência de taquicardia, tontura e sensação de desmaio diante de obras de arte, particularmente as mais belas. Um artigo do Guardian explora o assunto: Does great art make you ill?

It was first recorded by the 19th-century novelist and art critic Stendhal in Florence, and so scientists are to monitor the vital signs of tourists in Florence after they see works of art.

Encontrei mais informações no ótimo blog A Arte da Medicina

:: Post relacionado: Epônimos

Leave a Comment

História da humanidade


Esse spot muito bem feito para o programa BBC Knowledge resume a história da humanidade em 60 segundos.

Honk if you’re human. You’re a legend. : )

(via Science & Arts)

:: Post relacionado: O lado engraçado da tristeza

Desenhando com o lado lisérgico do cérebro

Outro suposto experimento com LSD: dessa vez com um artista que foi solicitado a desenhar sob o efeito da droga. Não consegui determinar se o experimento é verdadeiro ou não, mas os desenhos são bacanas. Clique na imagem pra ver a sequência de desenhos e o relato dos efeitos.

Outlines seem normal, but very vivid – everything is changing color. My hand must follow the bold sweep of the lines. I feel as if my consciousness is situated in the part of my body that’s now active – my hand, my elbow… my tongue

:: Posts relacionados: LSD nas trincheiras, Mirações científicas

Leave a Comment

Um médico rural*


Gosto muito desse ensaio do fotógrafo W. Eugene Smith feito para a revista Life, em 1948. O artista acompanhou a rotina do doutor Ernest Ceriani, médico generalista na pequena cidade americana de Kremmling, Colorado. Clique na foto para ver a galeria.

These 2,000 souls are constantly falling ill, recovering or dying, having children, being kicked by horses and cutting themselves on broken bottles. A single country doctor, known in the profession as a “g.p.”, or general practitioner, takes care of them all. His name is Ernest Guy Ceriani.

* Há um conto muito bom de Kafka com o mesmo título.

:: Posts relacionados: Vencendo o tempo, Fotografias da alma

Leave a Comment