Alucinações ao piano

Um paper recente investiga a natureza das alucinações visuais relatadas pelo compositor Frédéric Chopin (1810-1849). Segundo os pesquisadores do estudo a alteração psicopatológica do autor de célebres Noturnos seria provavelmente decorrente de uma epilepsia do lobo temporal.

Chopin costumava descrever vívidas e breves alucinações lilliputianas (alucinações visuais cujos objetos  podem ser pessoas ou criaturas diminutas) em cartas aos amigos.

The visions he described, such as demons crawling out of his piano, are now known as Lilliputian hallucinations: detailed visions of people or objects that are much smaller than they are in life. The authors rule out schizophrenia and other common psychoses because Chopin’s hallucinations were visual, not auditory, and because he lacked other telltale symptoms such as eye problems or migraines.

Aqui, o link para a matéria da Science: Frédéric Chopin’s ‘Madness’ Diagnosed

(Dica de Carlos Clayton)

:: Posts relacionados: Ouvindo cores, Jazz e transtorno mental

4 Responses to “Alucinações ao piano”

  1. Renata Calheiros Viana
    01/02/2011 at 7:19 pm #

    Que legal o tema do post. Não consegui abrir o link da matéria da science. Pelo título parece ser bastante interessante!

    • S. Albuquerque
      01/02/2011 at 8:43 pm #

      Consertei o link. Vale mesmo a pena dar uma olhadinha na matéria :)

  2. Senhora Morgana
    07/03/2012 at 3:17 pm #

    Chopin é muito bom, mas Ludwig Van Beethoven é perfeito, gostaria se possível algum artigo relacionado a esse gênio.
    Eu li algumas coisas sobre a automutilação e queria saber a sua opinão.É correto o uso de medicamentos, uma internação é indicada nesse caso?
    Obrigada

    • S. Albuquerque
      08/03/2012 at 12:08 am #

      A auto-mutilação pode fazer parte de algumas síndromes psiquiátricas. Quando a síndrome da qual esse sintomas faz parte é tratada com medicações (esquizofrenia, por exemplo), pode – e deve – sim, ser utilizada a medicação.

      Em outros casos, a psicoterapia é o tratamento de escolha (no caso dos transtornos de personalidade, por exemplo).

Leave a Reply