Archive | August, 2011

Cartum #22

(por Overdose Homeopática, via Até o tálamo)

Leave a Comment

Bibliofilia 5

 

Você conhece este fantástico dispositivo de leitura?

Como disseram Umberto Eco e Jean-Claude Carriere, não contem com o fim do livro.

A câmera clara da memória

 

Algumas poucas pessoas podem ter a habilidade que chamamos em psicopatologia de memória eidética (a popular “memória fotográfica”). A descrição do fenômeno não é nova.  Em 1887, o médico britânico John Langdon Down – o mesmo Down que nomeia a síndrome da trissomia do cromosso 21 - descreveu indivíduos que chamou de idiot savant (algo como “sábio idiota” em francês). O savants têm uma ilha de genialidade dentro de uma mente presa a grandes limitações de linguagem, coordenação, habilidade social e empatia.

Apesar de nem todo savant ser autista (o contrário também não é regra), Stephen Wiltshire, o artista do vídeo, parece ter as duas síndromes. No vídeo ele demonstra sua assustadora capacidade de lembrar, desenhando um enorme e detalhado panorama da cidade de Roma depois de sobrevoar apenas rapidamente a capital italiana.

Um filme bem conhecido sobre o savantismo é Rain Man, de 1988.

E há um post recente no Providentia sobre outro impressionante exemplo, na Inglaterra vitoriana: The Earlswood Asylum Genius

(a dica do vídeo é do Sellaro)

:: Posts relacionados: Hans Asperger e o autismo, Autismo na tela, O primeiro autista

O bêbado e a escada

The drunkard’s progress – From the first glass to the grave (“A evolução do alcoólatra – do primeiro copo ao cemitério”) é uma ilustração de 1846 que alerta sobre os perigos do uso do álcool.

A gravura (clique na imagem para ver em tamanho grande) foi feita pelo artista Nathaniel Currier para dar apoio ao “movimento da temperança” ou teetotalism, uma postura adotada em várias culturas e países a favor da abstinência total ao uso de bebidas alcoólicas.

A figura chega a ser engraçada. Preste atenção no contraste entre os degraus 5 e 9.

:: Posts relacionados: Delírio ilustrado, Perigos do prazer solitário

Leave a Comment

Cartum #21

Leave a Comment

Movidos a fantasia

O assunto deve interessar ao pessoal da psiquiatria infantil – 10 filmes para entender as fantasias e comportamento das crianças:

1.Onde vivem os monstros (EUA, 2009)
2.O senhor das moscas (Inglaterra, 1963)
3.Os incompreendidos (França, 1959)
4.A viagem de Chihiro (japão, 2001)
5.O labirinto do fauno ( Espanha / México, 2006)
6.Nó na garganta (EUA,1997)
7.A língua das mariposas (Espanha, 1999)
8.A fantástica fábrica de chocolate (EUA, 1971)
9.Minha vida em cor-de-rosa (França/ Bélgica / Inglaterra, 1997)
10.A força da ilusão (EUA,1992)

>> Aproveite e veja outros posts sobre filmes, psiquiatria e psicologia.

:: Posts relacionados: Autismo na tela,Divã de celulóide, Cinema limítrofe

Leave a Comment

Bobby Fischer contra o mundo

Vi recentemente o ótimo documentário Bobby Fischer Against the World (EUA, Inglaterra, Islândia. 2011).

Bobby Fischer foi considerado o Muhammad Ali do xadrez em seus dias de glória. O documentário produzido pela HBO (veja o trailer) conta a trajetória do menino pobre, nascido em Chicago e filho de mãe judia que ganhou notoriedade ainda na adolescência por sua genialidade ao tabuleiro.

Como muitos gênios, Fischer tinha uma personalidade problemática. Pelo filme é de se supor que tivesse traços do que hoje chamamos de personalidade esquizóide e paranóide, e sua obsessão monotemática pelo xadrez lembra em alguns momentos a síndrome de Asperger.

Em meados da década de 70, no auge de sua carreira, a estrutura psicótica latente do jogador dá xeque-mate em sua sanidade. O maior enxadrista do século XX passa a desenvolver sinais claros de um transtorno psicótico grave.  Provavelmente esquizofrenia paranóide. Seus delírios  giravam muitas vezes ao redor de uma suposta vigilância ou perseguição infligidas a ele por judeus, pela CIA ou pelos governos dos Estados Unidos e da União Soviética.

Depois do primeiro surto, passa anos no ostracismo, reaparece décadas depois, nos anos 90, e muda algumas vezes de país devido a problemas políticos com sua pátria natal. Termina seus dias na Islândia em 2008, aos 64 anos com poucos amigos e muitas opiniões raivosas e renitentes contra os Estados Unidos e os Judeus.

Aqui, o site oficial do documentário. Muito recomendado.

(dica de @GiorgioXeno)

:: Posts relacionados: Sons de estimação“O gênio é mais carne do que fábula”, Hans Asperger e o autismo

Leave a Comment

Cinema enfeitiçado

 

Eu já tinha mencionado aqui e aqui o filme Spellbound (“Quando fala o coração“. EUA, 1945)

Nesse thriller de Alfred Hitchcock Ingrid Bergman faz o papel de uma jovem psiquiatra que tenta tratar a amnésia dissociativa do (possível) criminoso vivido por Gregory Peck. O problema é que o uso excessivo de elementos de psicanálise que caíram no gosto da cultura popular – geralmente simplistas e hoje considerados obsoletos – no  pós-guerra não consegue esconder uma trama de assassinato um tanto fraca para os padrões do diretor. Esse é o ponto baixo do filme.

No ponto alto – além, é claro, da beleza e do talento de Ingrid Bergman, capazes de gerar uma transferência erótica maciça e imediata em qualquer marmanjo –  temos a brilhante sequência de sonho (no vídeo acima) criada por Salvador Dali exclusivamente para o filme.

O artista catalão já havia feito cinema junto com Buñuel em A Idade do Ouro e no antológico Um Cão Andaluz (que pode render um post no futuro). Dali criou várias sequências oníricas que não foram usadas na edição final de Spellbound. Hitchcock costumava lembrar de uma das impressionantes sequências perdidas: a cena de uma estátua partindo ao meio e revelando em seu interior Ingrid Bergman.

Não sei das cenas que se perderam mas considero o que ficou no corte final espetacular. Assista e tire suas conclusões.

:: Posts relacionados: Divã de celulóide, Vastas emoções e pensamentos imperfeitos

Saindo da linha

Essa sequência de Tempos Modernos (1936) é certamente a mais engraçada* do cinema envolvendo uso – ainda que involuntário – de cocaína. Talvez por ser um tanto naïve e por ser fruto de um período de Hollywood menos ciente do “politicamente correto”, a coisa funcione de modo tão leve.

Quem me lembrou do trecho foi @vbq.

* O segundo lugar vai pra esta cena de Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977), de Woody Allen

cinema psiquiatria cocaína charlie chaplin
:: Posts relacionados: Mau humor com bom humor, Woody Allen no consultório

Arte dentro da cabeça


Kaishi hen, Sinnin Kawaguchi (1736-1811)

 

Neuro Images é um tumblr só com imagens interessantes do sistema nervoso.

Muito útil para enfeitar slides de aulas sobre o tema.

E, sim, na ilustração acima o cérebro parece mesmo com miojo.

neuroanatomia psiquiatria arte
:: Posts relacionados: Cérebro coloridoCérebro colorido (2)Cérebro colorido (3), Neuroimagem e arte

Leave a Comment

Frenologia espacial

Sabe aqueles bustos de frenologia? Então.

(via @vaughanbell)

:: Posts relacionados: A cabeça de Darth Vader, TOC nas estrelas

Leave a Comment

Neuroses de guerra

 

A Wellcome Library disponibiliza um filme muito interessante de 1917 sobre o quadro clínico e o tratamento de 18 soldados britânicos com shell shock. Considero este um documento importante para entender a evolução histórica do conceito de transtorno de estresse pós-traumático. Serve também para ilustrar sintomas da psicomotricidade de etiologia conversiva.

The first patient seen is Pte. Meek, age 23. He has complete retrograde amnesia, hysterical paralysis, contractures, mutism and universal anaesthesia. There is a shot of him in a wheelchair with a nurse, and the intertitles explain that he is completely unaware of the efforts to overcome the rigidity of his ankles, and a man is seen trying to bend his feet.

O vídeo, mudo com legendas em inglês, é dividido em cinco partes.

Parte 1 / Parte 2 / Parte 3 / Parte 4 / Parte 5

:: Posts relacionados: Shell shock, LSD nas trincheiras, Tratamento biológico