Charlatanismo

Pietro Longhi: O charlatão, 1715

 

A palavra “charlatão” – usada para designar o indivíduo que vende remédios milagrosos que normalmente carecem de fundamento médico ou cientíco – em português provavelmente deriva do verbo italiano ciarlare, que significa “tagarelar”.

Em algumas regiões do Brasil se utiliza a expressão “falar mais que o homem da cobra” como alegoria para a tagarelice. O homem em questão é o loquaz vendedor intinerante de soluções e unguentos medicinais que se utiliza de uma cobra viva para chamar atenção das pessoas em feiras populares.

Em inglês, a palavra que dá nome ao charlatão é quack, por sua vez oriunda da expressão arcaica quacksalver (kwakzalver em holandês) que significa, literalmente, “mascate de sálvia“.

The Quack Doctor é um blog muito interessante, só sobre o assunto, com muitas reproduções de publicidade de charlatanismo de todo tipo.

Aqui, uma galeria com imagens dos últimos quatro séculos alertando sobre os perigos do charlatanismo

:: Posts relacionados: A nuvem negra do marketing, O mito do absinto, Perigos do prazer solitário

No comments yet.

Leave a Reply