O mundo fechado dos asilos

Christopher Paine Asylum manicômio psiquiatria fotografia

Entre 2007 e 2008  o fotógrafo Cristopher Payne visitou setenta hospitais psiquiátricos abandonados em trinta estados dos EUA. A documentação fotográfica rendeu uma coleção de imagens intitulada Asylum: Inside the Closed World of State Mental Hospitals.

We tend to think of mental hospitals as “snake pits”—places of nightmarish squalor and abuse—and this is how they have been portrayed in books and film. Few Americans, however, realize these institutions were once monuments of civic pride, built with noble intentions by leading architects and physicians, who envisioned the asylums as places of refuge, therapy, and healing.

Pelas fotografias dá para perceber que muitos hospitais funcionavam como cidades autônomas, onde quase tudo do que precisavam era produzido no próprio local como comida, energia e até roupas e sapatos.

Impossível não notar como o ar de abandono dá uma atmosfera sombria às fotos.

:: Post relacionados: Vidas deixadas para trás, História ilustrada da psiquiatria, Fotografias da alma

 

2 Responses to “O mundo fechado dos asilos”

  1. Senhora Morgana
    01/03/2012 at 8:06 pm #

    Ao mesmo tempo que as fotos trazem o fascínio, a curiosidade por saber por que essas pessoas estavam nessas casas de repouso, o sofrimento por que elas passaram, demonstra algo de sinistro, assustador, triste e vazio. Mas vale a pena apreciar esse tipo de fotografia.
    Há um ano aprecio e leio o seu blog, gostaria de saber qual a visão da psiquiatria sobre o BDSM, como também artigos relacionados ao assunto se possível.
    Obrigada

    • S. Albuquerque
      02/03/2012 at 7:43 pm #

      Obrigado por ler o blog.

      Quanto ao BDSM, consideramos em psiquiatria condutas sexuais “desviantes da norma” como transtornos, apenas quando causam ao indivíduo algum tipo de sofrimento psíquico, limitação ou prejuízo funcional. No caso dos transtornos dentro da esfera sexual, damos o nome de parafilias.

      O BDSM pode ser ou não parafilia. Isso vai depender de como isso se integra às outras questões emocionais do indivíduo. Numa procura rápida, achei um texto que pode ajudar a explicar isso melhor: http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?325

Leave a Reply