Adelaide

 

Adelaide” (EUA, 2011 – em inglês, sem legendas ) é um curta-metragem que conta a história de uma garota com transtorno factício. A personagem principal, que dá nome ao filme, cria sintomas e doenças na tentativa de se aproximar das pessoas e receber cuidados.

O epônimo deriva do Barão de Münchhausen, um nobre alemão que viveu no século XVIII, famoso por contar histórias mirabolantes e improváveis nas quais figurava como protagonista. O nobre inspirou um personagem caricato da literatura.  Em 1951, o médico britânico Richard Asher batizou a síndrome com o nome do barão teutônico em um artigo publicado no The Lancet.

Reserve 12 minutos para assistir ao curta, vale a pena.

:: Posts relacionados: EpônimosSíndrome de StendhalAmor delirante

3 Responses to “Adelaide”

  1. Maria...
    29/09/2012 at 3:42 pm #

    Muito comum essa situação nos dias atuais. Nesses casos acho que mais que medicação psicoterapia é mais apropriado.

    Nós precisamos saber como funcionamos, ter necessidade do outro pra viver não é saudável, contamos com a solidariedade, mas não precisamos inventar doenças ou se passar por pobre coitados para atrair alguém ao nosso convivio.
    Devemos dizer que nos bastamos, mas o outro nos complementa. Não sou como o filósofo shopenhuaer que foi o pai do pessimismo, mas acho que eu sei conviver com minha solidão sem ter que usar artificios para atrair o outro. Isso é carênciia ou nesses tempos modernos de controle remoto é angústia de falta de partilha..daí vale o grito do apelo…meio exagerado..rsrs..mas tem casos e casos.
    maria

  2. Caio Maia
    02/10/2012 at 12:55 am #

    Amigo, meus parabéns pelo seu site. Ele é realmente único na internet. Acompanho sempre que posso e me surpreendo positivamente a cada visita. Tanto o material escolhido para os posts quanto seus comentários são muito enriquecedores.

    Como residente de Psiquiatria posso dizer que isso aqui também faz parte da minha jornada pelo conhecimento.

    • S. Albuquerque
      02/10/2012 at 1:43 pm #

      Obrigado, Caio.

      Fico satisfeito em saber que estou contribuindo de alguma forma.

      Abraço.

Leave a Reply