Cada cabeça, uma sentença

Gostei dessa coleção de modelos frenológicos de 1831. As cabeças em miniatura foram esculpidas por William Bally, que foi aluno de Spurzheim, o mais distinto discípulo de Franz Gall.

Os frenologistas acreditavam que o formato e tamanho do cérebro – e, por extensão, suas projeções no crânio – determinavam a personalidade.  Essas cabecinhas devem ter sido usadas para ensinar frenologia ou talvez para servir como referência no estudo.

Leia o que já postei sobre frenologia e correlatos aqui, aqui e aqui.

Clique na imagem para ver mais da coleção, no Science Museum.

:: Posts relacionados: História da frenologia, Anatomia do mal, Frenologia espacial

One Response to “Cada cabeça, uma sentença”

  1. Maria...
    21/09/2012 at 11:38 am #

    Isso é novo para mim. Vou ler mais e me inteirar do assunto.Nem sabia dessa coisa de ” frenologiia”.Gostei dos posts acerca do tema.

    Publiquei no meu blog sobre “Bipolaridade, psicofobia e projeto de lei..”, matéria que já tinha sido comentada no blog Bipolar Brasil.

    abraços

Leave a Reply