Archive | March, 2013

A loucura como arma

Por décadas, os EUA investiram grandes somas em pesquisas que poderiam gerar uma vantagem em situações de guerra. Desde antes da Segunda Guerra até o auge da Guerra Fria, experimentos bizarros foram conduzidos na unidade militar de Chesapeake Bay no intuito de criar armas biológicas incomuns.

A idéia,  que ganhou mais força após a Segunda Guerra, era criar agentes psicoativos que fossem capazes de desorientar ou   de fazer os soldados inimigos se comportarem de forma incompatível com o combate, sem causar danos físicos permanentes. Já escrevi sobre algumas experiências dessas aqui e aqui.

Em Chesapeake Bay, LSD foi administrado a soldados voluntários em caráter experimental. Essas experiências foram documentadas e as filmagens, usadas em filmes de propaganda. A revista The New Yorker fez uma seleção de algumas dessas gravações na ótima matéria Manufacturing Madness.

Em um momento do vídeo, um soldado perplexo fala da sensação de desrealização provocada pelo LSD, em outro, mostra-se um gato sob o efeito da droga psicodélica com medo de um rato em sua gaiola. Inocentemente, esse era o efeito esperado da substância no soldado inimigo. Bons tempos. Hoje drones assassinos fazem todo o serviço.

:: Posts relacionados: MK-ULTRALSD nas trincheiras, Do trauma à luz