Egos de plástico

barbie humana transtorno dismórfico corporal

Tinha vontade de escrever um texto sobre um fenômeno psíquico estranho, turbinado nos últimos anos pelas redes sociais: as pessoas que transformam radicalmente seus corpos para parecerem deliberadamente artificiais. Falo de gente como a ucraniana que quer ser a Barbie, o filipino que quer ser Superman e o brasileiro que quer ser o boneco Ken. E a lista cresce todo dia, basta acompanhar na sessão de notícias bizarras dos jornais.

Não preciso mais escrever o texto que tinha planejado, eis que já o encontrei mais ou menos feito no Estadão: Mais bonitos, mais jovens, mais interessantes. E de preferência para sempre.

Mesmo sem a pretensão de sugerir diagnósticos para pessoas que não me pediram isso, parece impossível não associar esses comportamentos a uma espécie de variação do quadro de dismorfia, no qual a pessoa se torna patologicamente preocupada com uma característica física imaginada ou pouco perceptível de seu corpo, mas que ganha enorme destaque.

A autora fala um pouco das motivações psicológicas por trás desse comportamento e cita, apropriadamente, o transtorno dismórfico corporal.

:: Leia também aqui no blog  A mente como laboratórioGênero neutroPeso desejado

2 Responses to “Egos de plástico”

  1. Rodrigo
    19/09/2014 at 1:59 pm #

    É no mínimo curioso e impossível não relacionar com chamada ‘ditadura da beleza’, corpo perfeito e etc. Não acho que seja exclusividade de nosso tempo, visto que em outras épocas conceitos excêntricos de beleza já foram adotados ou ainda o são em algumas partes do mundo. O problema é que hoje em dia a tecnologia nos serve para ‘quase’ tudo.

    • S. Albuquerque
      20/09/2014 at 9:11 am #

      Certamente o fenômeno não é novo, Rodrigo. Mas que é bizarro, é :)

Leave a Reply