Tag Archives: divã

A voz atrás do divã

Já postei aqui um dos poucos registros filmográficos do pai da psicanálise. Acima, você escuta o único registro conhecido da voz de Sigmund Freud.

A gravação é de 7 de dezembro de 1938 e foi feita por uma equipe da BBC. Apesar da dificuldade de fala por causa de fortes dores devido ao câncer de boca, é possível entender trechos do breve discurso em inglês.

I started my professional activity as a neurologist trying to bring relief to my neurotic patients. Under the influence of an older friend and by my own efforts, I discovered some important new facts about the unconscious in psychic life, the role of instinctual urges, and so on. Out of these findings grew a new science, psychoanalysis, a part of psychology, and a new method of treatment of the neuroses. I had to pay heavily for this bit of good luck. People did not believe in my facts and thought my theories unsavory. Resistance was strong and unrelenting. In the end I succeeded in acquiring pupils and building up an International Psychoanalytic Association. But the struggle is not yet over.

Essa é a voz que Anna O. , Dora e Elizabeth von R. escutaram falando diretamente aos seus inconscientes.

:: Posts relacionados: Freud à vontadeMusas da histeriaA Era do Insight

Cartum #36

"- Então eu me dei conta: eu estou salivando por causa de um maldito sino!"

 

(Via The New Yorker)

Leave a Comment

Cartum #17

" Então, qual é o seu problema?"

(via The New Yorker)

Leave a Comment

Cartum #16

"Cmo akilo fez vc c sentir?"

(via The New Yorker)

Leave a Comment

Divã de celulóide

Uma lista de filmes nos quais a psicoterapia / psicanálise ou o terapeuta têm um papel importante. Alguns podem ser úteis em aulas para apresentar o tema:

- Freud Além da Alma (EUA, 1962)
- Eqqus (EUA/Iglaterra, 1977)
- Jornada da Alma (Itália/ França/ Inglaterra, 2002)
- A outra (EUA, 1988)
- Quando fala o coração (EUA, 1945)
- O Quarto do Filho (Itália/França, 2001)
- Gente como a gente (EUA, 1980)

:: Posts relacionados: Cinema limítrofe, Woody Allen no consultório, Psicopatologia e cinema brasileiro

Leave a Comment