Tag Archives: histeria

Aura santa

O quadro “Vision” do pintor francês Alphonse Osbert (1857-1939) ocupa hoje, com seus 2,35m de altura, uma das paredes do Museu de Orsay em Paris. A obra não está exposta nas salas mais frequentadas – a dos impressionistas, por exemplo -, mas certamente não passa despercebida do visitante mais sensível.

A tela ilustra o êxtase religioso de Santa Genoveva (Sainte Geneviève), padroeira de Paris. Segundo os relatos históricos, a jovem santa impediu o ataque dos hunos à cidade no ano de 512, convocando os cidadãos da capital francesa a rezar e a jejuar.

No quadro de Osbert, vemos uma jovem de pé, em rígida posição, braços extendidos para baixo e mãos entrelaçadas, num gesto de prece. A expressão do olhar é difícil de determinar: há algo entre a angústia e a perplexidade. A dúvida é acentuada pela sombra que preenche as órbitas e pela mímica estatuesca do resto da face. Ao redor da cabeça há uma auréola brilhante (também chamada classicamente de aurahalo ou  nimbo).

Aparentemente, a obra despetou interesse nos primeiros estudiosos da histeria na França. Visto à luz dos estudos de Charcot em Salpetrière, a personagem da cena podia muito bem representar um estado de estupor dissociativo. A impressão que o quadro me causou, contudo, é mais neurológica do que psiquiátrica.

A pintura me remete imediatamente aos estados pré-ictais da epilepsia, isto é, as crises parciais que podem preceder comumente as crises tônico-clônicas generalizadas. Em português, chamamos isso de aura. Há quem defenda que muitas e importantes visões religiosas, de Maomé no islamismo a Paulo de Tarso no catolicismo, pasando por Joseph Smith na religião Mórmon, podem ser explicadas por esse fenômeno [1], que é frequentemente associado a alucinações visuais, desrealização, despersonalização ou sentimentos oceânicos de êxtase [2].

(Crises assim eram experimentadas pelo escritor russo Fiódor Dostoiévski tanto que, as auras desse tipo foram apelidadas de Epilepsia de Dostoiévski. [3])

Etimologicamente, há uma interessante coincidência entre as palavras aura e auréola. Já expliquei aqui que orat – derivada de aura/auratus, no latim  ’vento, sopro’ - provém do catalão e associa-se no espanhol e no português a “orate”, isto é, louco. No caso das palavras auréola ou aura, significando o contorno luminoso que simboliza santidade em pinturas sacras, a origem remonta a “ouro” (o dourado é cor convencional do símbolo) em grego e latim. Não é impossível que a palavra aura utilizada para o fenómeno epiléptico possua, a um só tempo, os dois sentidos: o que se refere à santidade e o que se refere à loucura.

Aí voltamos ao quadro de Alphonse Osbert. A representação da Santa Genoveva intriga e atrai pelo mistério oculto da santidade vivida intimamente. A arte tem dessas coisas. Intuitivamente, através dos seus ramificados caminhos simbólicos, aponta para a face mais verdadeira e bela dos fenômenos humanos.

ResearchBlogging.org

1.DEWHURST, K., & BEARD, A. (1970). Sudden Religious Conversions in Temporal Lobe Epilepsy The British Journal of Psychiatry, 117 (540), 497-507 DOI: 10.1192/bjp.117.540.497

2.Amâncio, E., Zymberg, S., & Pires, M. (1994). Epilepsia do lobo temporal e aura com alegria e prazer: relato de dois casos e revisão de literatura Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 52 (2), 252-259 DOI: 10.1590/S0004-282X1994000200018

3.Cirignotta, F., Todesco, C., & Lugaresi, E. (1980). Temporal Lobe Epilepsy with Ecstatic Seizures (So-Called Dostoevsky Epilepsy) Epilepsia, 21 (6), 705-710 DOI: 10.1111/j.1528-1157.1980.tb04324.x

:: Posts relacionados: Aura poéticaAlucinações ao pianoDostoiévski em crise

Leave a Comment

O útero errante

"Ducha pélvica" para o tratamento da histeria (c. 1860)

 

Para lembrar sempre que a palavra “histeria” deriva de útero (hystera em grego), recomendo um bom artigo no Chirurgeon’s Apprentice, sobre as ligações históricas entre a síndrome consagrada por Freud e o órgão feminino.

O conceito da histeria nasceu na Grécia Antiga e sugeria que as doenças emocionais que normalmente acometiam as mulheres se deviam a um “útero errante” que vagueva pelo corpo em busca do seu lugar anatômico. Os sintomas incluíam insônia, retenção de líquidos, desmaios, nervosismo, falta de ar e espasmos musculares.

Today, hysteria is regarded as a ‘physical expression of a mental conflict’ and can happen to anyone regardless of age or gender. In ancient times, however, it was attributed only to women, and believed to be physiological (not psychological) in nature.

No século XVII William Harvey, conhecido por todo estudante de medicina como o primeiro a descrever o sistema circulatório, acreditava que as mulheres eram “escravas de sua própria biologia”, e atribuía ao útero características de um ser independente: “insaciável, feroz, animalesco”.

O artigo e o blog devem interessar a quem gosta de história da medicina: O, Wandering Womb! Where Art Thou?

:: Posts relacionados: Musas da histeriaLoucura e suicídio na Era VitorianaLouco de pedra

Leave a Comment

Turista patológico

Encontrei no Guardian (depois de uma indicação de @deumilcoses) um artigo sobre o primeiro caso descrito de um fugitivo patológico (ou fugueur).

Albert Dadas, francês de Bordeaux, foi examinado no final do século XIX , aos 26 anos, por Charcot e Gilles de la Tourette em um dos seus vários internamentos. Dadas foi encontrado em várias cidades da Europa após ter percorrido vários quilômetros a pé ou de trem, sem lembrar como havia chegado ali. Por não ter passaporte, frequentemente era enviado a hospitais ou deportado de volta à França.

Em 1887, Philippe Tissié,  então um jovem médico aspirante a psiquiatra, entrou em contato com Dadas e descreveu seu caso. O diagnóstico de Dadas foi de dromomania, ou fuga histérica, já que o paciente só conseguia lembrar de suas viagens através da hipnose.

Leia o artigo aqui: Le Premier Fugueur by Johan Furaker

Em 2011 o artista Johan Furaker fez uma exposição de pinturas inspiradas no caso Albert Dadas. Veja aqui.

:: Posts relacionados: Musas da histeriaPhineas GageDelírio ilustrado

Leave a Comment

O prontuário de Hitler

Em 1918, no hospital militar de Pasewalk, o psiquiatra professor Edmund Forster trata, por meio da hipnose, o cabo Adolf Hitler de uma “neurose de guerra” (cegueira histérica). Em 1933, Hitler assume o poder sobre a Alemanha nazista. Pouco tempo depois, Forster entra em contato com um grupo de escritores que viviam em exílio em Paris e passa sigilosamente a eles os seus conhecimentos sobre o caso.

A Revista de Psiquiatria Clínica publicou em 2006 um artigo interessante sobre o prontuário médico do Fürer. O boletim médico original desapareceu e a trágica história que o envolve termina com três assassinatos e dois suicídios.

Pelas atuais classificações o jovem Adolf Hitler – com 29 anos à época do internamento  -  receberia hoje o diagnóstico de anestesia e perda sensorial dissociativa.

Leia aqui o artigo completo- A cegueira histérica de Adolf Hitler: histórico de um boletim médico

:: Posts relacionados: Na cabeça de HitlerNeuroses de guerraNeuroses de guerra II

Leave a Comment

O Exorcista e a ‘Neurose cinemática’

Encontrei no Mind Hacks um post interessante sobre o efeito psicológico que o filme “O Exorcista” (The Exorcist, EUA, 1973) provocou em alguns expectadores. À época do seu lançamento nos cinemas, houve relatos de desmaios, expectadores tomados pelo medo saindo das salas às pressas e até de pessoas que “enlouqueceram” depois de ver o filme de William Friedkin.

Isso causou uma certa preocupação na comunidade científica e, em 1975, foi publicado um artigo no periódico Journal of Nervous and Mental Disease , intitulado ‘Cinematic Neurosis Following The Exorcist’ com o relato de quatro casos de problemas psiquiátricos em expectadores do filme.

The fact that the issue of ‘Exorcist madness’ was considered serious enough to appear in a medical journal is more likely testament to the fact that the film touched a raw nerve in the America of the 1970s, than the fact that it raised the hackles of some of its audience members.

Leia aqui o post: Mental illness following The Exorcist

:: Posts relacionados: Uma estranha psiquiatriaDivã de celulóideAmor ao horror

Leave a Comment

Musas da histeria

Leio no Morbid Anatomy sobre o recém-lançado livro Medical Muses: Hysteria in Nineteenth-Century Paris. O livro trata das pacientes Blanche, Augustine e Geneviève, internadas em Salpetrière no final do século XIX. Durante sua estadia no hospital, os graves sintomas histéricos apresentados pelas três mulheres atraíam multidões de visitantes e inspiraram escritores, pintores e escultores.

To what degree their disease was socially determined and to what degree it was physically determined is impossible to say. If they showed up at a hospital today, suffering from the same symptoms, they would probably be diagnosed with schizophrenia or conversion disorder or bipolar disorder.

Além de uma boa resenha a obra, o post no Morbid Anatomy traz uma pequena galeria de fotos da histeria feitas no período.

:: Posts relacionados: Fotografias da alma, Hipnose de salão, Freud à vontade

Leave a Comment