Tag Archives: psiquiatria infantil

Máquina de monstros

A idéia é simples, mas o efeito conseguido pelo artista Dave Devries é genial: pinturas realistas feitas a partir de desenhos de crianças.

Eu achei ótimo para ilustrar slides. Deve interessar também ao pessoal da psiquiatria infantil.

(Clique na imagem para ver a galeria)

:: Posts relacionados: Movidos a fantasiaDesenhando o insondávelAntes e depois da esquizofrenia

Leave a Comment

Desenhos animados e violência

 

O blog Psiquiatria e sociedade comenta um artigo de revisão interessante sobre a influência dos desenhos animados no comportamento violento de crianças (Leia aqui o artigo, pago ou via periodicos CAPES).

Interessante perceber que, ao contrário do que os radicais podem achar, a imitação do comportamento violento dos personagens dos desenhos não acontece sem a modulação de elementos como humor, contexto ou a presença dos pais.

O humor atenua a percepção da violência, e provavelmente é por causa disso que desenhos como Papa-léguas, Pica-Pau ou Pernalonga, mesmo com muitas cenas agressivas, não modifica o comportamento das crianças.

Leia o texto completo em: A culpa é da TV?

Acima, um episódio do Pica-Pau (quando ainda era O Pica-Pau Biruta na tradução brasileira)

:: Posts relacionados: O louco da turmaLoucura na TVPiripaques, dissociação e humor mexicano

Movidos a fantasia

O assunto deve interessar ao pessoal da psiquiatria infantil – 10 filmes para entender as fantasias e comportamento das crianças:

1.Onde vivem os monstros (EUA, 2009)
2.O senhor das moscas (Inglaterra, 1963)
3.Os incompreendidos (França, 1959)
4.A viagem de Chihiro (japão, 2001)
5.O labirinto do fauno ( Espanha / México, 2006)
6.Nó na garganta (EUA,1997)
7.A língua das mariposas (Espanha, 1999)
8.A fantástica fábrica de chocolate (EUA, 1971)
9.Minha vida em cor-de-rosa (França/ Bélgica / Inglaterra, 1997)
10.A força da ilusão (EUA,1992)

>> Aproveite e veja outros posts sobre filmes, psiquiatria e psicologia.

:: Posts relacionados: Autismo na tela,Divã de celulóide, Cinema limítrofe

Leave a Comment